Archive for June, 2007|Monthly archive page

O homem bate escanteio e corre prá cabecear

eno-77-million.jpg

Músico, ensaísta, produtor… E agora também artista digital. Brian Eno e suas 77 Million Paintings estão de hoje até domingo no Yerba Buena Center
.
Na verdade, os 77 milhões de pinturas são uma só, gerada por um algoritmo generativo, que vai modificando gradualmente o “canvas”. Algoritmos generativos utilizam regras aparentemente simples para criar música, filmes, imagens e, no caso do meu trabalho, moléculas de surpreendente complexidade.

Um algoritmo generativo que vai deixar o seu screen saver totalmente viajandão é o Electric Sheep, aliás o Scott Draves, o cara que criou isso, faz os visuais de varias raves na Bay Area.

O fim de semana promete.

Pós-neo-anti, ou muito pelo contrário

Ontem, Francis “Fim da História” Fukuyama deu uma palestra como parte da série Seminars About Long Term Thinking (SALT) da Long Now Fundation, no Fort Mason. O principal ponto sendo que o tal do Fim da História,well.. não era bem assim…muito pelo contrário. Ou não? De qualquer modo, foi um exercício de contorcionismo intelectual de dar inveja em qualquer político Brasileiro. Precisamos mandar Renans, Sarneys, Sibás e companhia limitada fazer um curso com o homem. O cara é bom. Inclusive segurou a onda de um auditório hostil, como não poderia deixar de ser em San Francisco.

Tendo desembarcado há cerca de um ano e meio da canoa furada da aventura de Bush no Iraque, agora Mr. Fukuyama se auto-intitula um “pós-neoconservador”.

Como é bom ser intelectual… Você nunca está errado. Muda o rótulo e vamo que vamo.

Crazy is driving me crazy

Sabe o Gnarls Barkley? Pois é, acho que só sobrou um cara que mora numa caverna em Burkina Fasso que ainda não ouviu “Crazy” neste planeta. O vídeo até que é legalzinho com aquele teste Rorshach, quer dizer foi legalzinho as primeiras 5000 vezes que eu vi…

E, agora com vocês, a versão de Crazy com Theremin. Aliás estava escutando Pet Sounds dos Beach Boys outro dia desses, um álbum que praticamente ressucitou o Theremin. Todo mundo se lembra dos Beach Boys pelas músicas bobinhas, mas Pet Sounds influenciou muita gente, talvez até mais que o João Gilberto, dizem que até Jimi “you’ll never hear surf music again” Hendrix foi. Inclusive o Brian Wilson esteve em San Francisco no ano passado com uma versão orquestral de Pet Sounds para o aniversário de 40 anos de lançamento do álbum. Show lotado toda noite. Como diria o Sívio Santos, eu não fui, mas quem foi diz que foi muuuuito bom…

Cacilda, fui de Gnarls Barkley até Sílvio Santos. Bom, sem mais delongas, som na caixa:

Deu no Niuiorquitaimes

mechabolic_elevation_crop1000.jpg

Artigo sobre o Mechabolic no NYT/CNET. Os caras, prá variar, não captaram o espírito da coisa, mas pubricidade é pubricidade…

Aqui.

Extra, Extra!

chickenfinger.jpg

Direto da boca da jibóia. Meu colega de moradia, agitador em tempo integral, “insultor”, ex-guitarrista da banda de GG Allin, ex-técnico de som do CBGB, ex-mecânico de carros de corrida, criador do primeiro circo punk da história, ex-dono do Odeon, o melhor boteco de terceira categoria dos Estados Unidos (título ganho no voto) e amigo de longa data, Chicken John, entrou nesta manhã na disputa para Prefeito de San Francisco. Aind não sei se isso é uma coisa boa ou ruim. Só espero que o modesto galpão na Cesar Chavez Ave. onde eu moro não se transforme no comitê de campanha. Mas se o Jello Biafra concorreu , porque não Prefeito Chicken John?

Durma-se com um barulho desses. Aqui vai o comunicado oficial do homem. Vê-se logo que os problemas de San Francisco são beeem diferentes dos de São Paulo…

       
         
  date
Jun 28, 2007 8:07 AM  
  subject
CHICKEN: Chicken John throws his hat into the ring… Chaos provides…. city of Art and Innovation… it’s all up to you…  

So. There is a lot of stuff to talk about. But lets get something out of the way: running for Mayor of San Francisco isn’t something you do as a prank. As a joke. It would be an insult to the people who supported you and I think that making a mockery of the political system would be tameritous. Elections and other bodies of governmental working should be sacred, taken very seriously

 

 

There are many of us who came here to San Francisco from somewhere else looking for something. Seeking, if I may. Those who find it, never leave. They then become stewards of our city, allowing tolerance and experimentation of all levels so that other people who are seeking can come here and find what it is that they are looking for. They in turn become stewards… and so on. I have been thinking of leaving San Francisco. The billionaires have all come and kicked the millionaires out. Every day I see more construction. We exist in these micro bubble economies. Which is how I got to where I am in my thinking. Drawing a parallel between the SF of the 1800’s and now is very similar. Boom towns. A boom town economy is well documented. I think it would probably be a good time to leave a boom town while it’s still booming. Don’t wait for it to all dry up. But I feel a responsibility to SF. I feel a duty. That I have to serve this town that so many people with such a broad stroke of differences can come to agree on nothing else except the SF is a great place. I can’t just leave. Not without trying my best to fix it. And why not just go right to the top. I will now ask for your help in my next endeavor. In order to be on the ballot to compete with Gavin Newsome and the 22 other candidates for Mayor of San Francisco, I need to collect 10,000 signatures from registered voters. Or pay $5,000. I have the forms here:

 

http://www.chickenjohn.com/mayor_1.pdf

http://www.chickenjohn.com/mayor_2.pdf

It needs to be one piece of paper. LIke, printed on both sides or they won’t accept it. It’s a petition. If 100 of you download 10 copies of the petition and get 100 people to sign it, that’s 10,000 signatures. But the signatures have to be of registered voters and the person collecting the sigs needs to be registered. There is a mountain of paper work that I am sifting through. There is matching funds for campaigns. There seems to be a very astute staff of the Dept. of Elections, in the *basement* of city hall. It’s all pretty neat.

My platform? What’s my platform, you ask? The bed of 1975 GMC pick ’em up truck that runs on coffee grinds. Party affiliation? I like to party. Party hardy. Issues? What about the issues? We’ll get to that later. For now, I need to get on the ballot. I need your help. Here’s how this works:

You download the pdf forms FRONT AND BACK ON THE SAME PAGE. 2 DOWNLOADS ON 1 PIECE OF PAPER OR THEY WON’T ACCPET IT. Ahem.

You get friends or whoever you can to sign it, follow the instructions.

You yourself need to be a registered voter in SF WITH A VALID VOTER THINGY WITH YOUR CORRECT ADDRESS.

You get as many people to sign as possible, 10,000 signatures is a lot. Only people who are registered voters in SF can sign. They check.

You write me email or call me and drop off the signatures before the 25th of July. They are due on the 26th.

This community that is so powerful and so *together* rises to the occasion and with little effort gets 10,000 signatures from registered voters. I get on the ballot, then we change the way politics is done by using our secret weapon: art & innovation. After we do that we stop *greenwashing this city* and I hold a raffle to see who gets to drive the truck that knocks down that fucking bow and arrow thing on Embarkadaro that insults each and every artist in SF. We shed some light on the fact that the Art Commission of SF has a $9 million dollar budget and spends 90% of it on administration costs and consultant fees. In our *green* city, Builders Resources (SF’s Urban Ore) is being squeezed out. Whatever. There is a giant land grab going on and none of it is being earmarked for temporary sculpture or anything like that. Slowly, it all gets nailed down and if you’re ‘in’ you can get a piece of the action. If you’re not ‘in’, then you get a form letter. I single handedly produce 50 times what the SF Art Commission does and I couldn’t get the director to answer a phone call for 4 months. Civil servant my entire ass. And on and on… there are things that affect us that we can defend that will be of benefit to all San Franciscans. And it’s all really easy.

My little visit with Berkeley politics with the closing of the Shipyard really rattled my cage. It was like trying to do the butterfly stroke in a swimming pool of cold maple syrup. It literally sucked life from me. There is no way things have to be that hard. It was actually disgusting. There must be comedy. There must… or all is lost…

There is no doubt that Gavin Newsome will likely be our next Mayor. But there is value in fighting the good fight even if ‘winning’ isn’t your main objective. I have engineered my entire life around the embrace of the amateur. To live life as art. Mediocrity is not an option. Samuel Beckett’s quote fills me with possibility and adventure: “Fail again. Fail better.” I honestly feel that right now San Francisco, the city of Art and Innovation, lacks whimsy. It lacks a decision making body that results in the manufacture of ‘Units of Interesting’. We need there to be a Units of Interesting factor in some of the decisions. The acronym sucks, or it would be the new catch-phraze. UoI. Whatever.

I will have forms here and there for people to pick up and I will (obviously) be using this list to promote and update. Stay tuned.

here we go….

chicken

Café, Hidrogênio e Contracultura

Pois é. O projeto em que estou trabalhando acabou saindo na Business 2.0. Vai lá na página 68 onde está o nosso caminhão, o Café Racer. Precisa de Flash para ver. Diacho.
Por um lado é legal ter o reconhecimento do “mundo default”; por outro lado eu fico muito desconfiado quando uma revista corporativa começa a prestar atenção. Eu moro em San Francisco exatamente porque é uma das poucas cidades no mundo onde a contracultura vai muito bem, obrigado. E o nosso projeto é a contracultura da energia.

Hoje em dia nos Estados Unidos, a moda é falar de combustíveis alternativos. De repente o Brasil e a cana de açúcar estão nas páginas das revistas e jornais. E o que nós fizemos? Nós construímos um caminhão movido a café! Isso mesmo, você põe café e um gasificador que nós construímos inteiramente com sucata transforma o café em hidrogênio que é bombeado diretamente para a entrada de ar de um motor a diesel comum. Tecnologia dos Flintstones no século 21.
Simplesmente trata-se da tecnologia do gasogênio que foi muito usada pelos Alemães na Segunda Guerra Mundial. Depois nós descobrimos que não existe recorde mundial de velocidade para veículos movidos a gasogênio. Ora, então vamos fazer o nosso! Vamos levar o caminhão para a Bonneville Speedway, em Utah e bater o recorde mundial fazendo o Café Racer ir a 1 milha por hora. Tudo em nome da comédia, pois o Café Racer chega a fazer 80 km por hora. Não sei se faz diferença usar Café Pelé ou Do Ponto.

gasifier12.jpgÓi eu aí soldando o ciclone do gasificador. Operário padrão é a mãe.

Na verdade, o Café Racer é só um protótipo de um outro projeto que estamos desenvolvendo para o Burning Man, o famoso festival de artes e contracultura (aliás nem tão contracultura assim mais, mas isso é outra história) no deserto de Black Rock em Nevada. Chama-se Mechabolic e a melhor descrição que eu posso oferecer é que é um lesmão de cerca de 30 metros de comprimento que vai se mover pelo deserto totalmente movido a gasificadores e biodigestores que vão usar o lixo produzido no festival. Eu sabia que aquele diploma de engenheiro químico ia servir para alguma coisa um dia… Na verdade o meu interesse no projeto é desenvolver tecnologias que possam ser usadas para produzir energia em áreas rurais no Brasil. Por exemplo, há tanto bagaço de cana que poderia ser usado para produzir hidrogênio como combustivel de geradores para eletrificação de áreas rurais. Nos próximos meses, estarei mostrando o progresso do projeto aqui. Quem viver, verá.

gasifier2.jpgO protótipo do protótipo. A chama está queimando hidrogênio. O problema é o cheiro…