Archive for October, 2007|Monthly archive page

Chacoalhada

Estava ontem à tarde em Menlo Park, ao lado do Xerox PARC com alguns amigos no nosso grupo de discussão de Bioengenharia quando tremeu tudo. Por uns bons 10 segundos. Foi o terremoto mais forte que eu já senti. Não deu tempo de ficar com medo, mas deu para chacoalhar as xícaras de café. E o pessoal, acostumado, nem se levantou. As pessoas olharam umas para as outras por um momento e quando acabou voltaram aos seus livros e laptops. Uma que outra ligou para alguém no celular. E só.

Fico pensando no galpão onde moro. Nenhuma coluna de sustentação, o piso do segundo andar onde fica o meu quarto está sustentado apenas pelas paredes laterais, de tijolo, sem nenhum suporte sísmico, que é exigido em construções novas em San Francisco. Já viu, né? Espero que quando o Tremendão vier (sim, “quando”, não “se”), eu não esteja nem no galpão nem na Bay Bridge. É tudo o que eu peço.

Tempos mais simples

Burning Man nos anos 90, quando tudo era menor, mais anárquico (e perigoso) à la Mad Max. Bons tempos…

Ueba!

cowboys.jpg

Space Cowboys e Ambient Mafia! Ueba Ueba e Ueba.

Os Space Cowboys e o seu supercaminhão Unimog com um super sistema de som e vídeo são a melhor opção em San Francisco para chacoalhar o seu traseiro gordo.

E quando você cansa, você relaxa aos sons calminhos da Ambient Mafia,

da qual a minha super querida amiga Calamity Jane é um dos DJ’s.

A Calamity (foto aí em cima), que eu chamo de Shelley não só Djêia como produz a própria música. Além disso, canta, fotografa e é uma excelente pintora. Eu tenho amigos talentosos pracaráleo.

E no próximo Sábado, festança reunido os Space Cowboys e a Ambient Mafia no mesmo lugar! Ueba ueba ueba! Eu, a Jenn, a Shelley, os Space Cowboys, a Ambient Mafia, o cozinheiro, a mulher o amante e o ladrão.

Ueba!

P.S.: Estou em Boston. Volto amanhã para San Francisco.

Pobrema de Rico

artistconnect.jpg

San Francisco tem um paradoxo. É uma cidade de inovação, tanto tecnológica quanto cultural. Mas toda essa inovação gera uma prosperidade que aumenta o custo de vida, o que torna muito difícil para os inovadores viverem aqui, justo eles que são os responsáveis pela prosperidade. New York tem um problema semelhante, aliás na New Yorker desta semana há um artigo sobre o assunto. Considerando que em New York 20% dos salários são pagos pelo setor cultural (teatros, cinemas, museus, galerias e auditórios), não é pouca coisa. Imagino que seja difícil para alguém no Brasil entender a lógica de se discutir um problema desses, quando não se consegue sequer tirar as crianças do sinal de trânsito em São Paulo, ou ter serviços públicos com um mínimo de qualidade. Enfim, é um problema de cidade rica.

Mas que melhor maneira de discutir isso do que através de arte? Então estamos fazendo uma exibição aqui no galpão onde eu moro.

Chicken John: Project Artist Connect

Artist Reception Thursday November 1st 7pm-9pm n/c

Opening Party Saturday November 3rd 9pm $10

Chez Poulet Gallery
3359 Cesar Chavez (@mission) SF CA

In accordance with Gavin Newsome’s programs Project Homeless Connect, Project Green Connect, Project Fuck My Best Friends Wife Connect, Chicken John has created Project Artist Connect, inviting 10 San Francisco artists to depict their city in a visual commentary addressing local issues and attributes. The exhibition features a range of work in subject and medium, including solemn pencil drawings, explosive statements in metal, and a real estate company selling modular housing solutions. Chicken John will be on hand to relate his platform to the San Francisco presented by the artists, and to discuss the dilemmas facing our city. An unnamed cast of characters will push political hot-buttons with impromptu performances and crooked fingers, truly exemplifying innovative art.
Saturday November 3rd in the din of local dissidence, Chicken John will candidly debate a Mayor Gavin Newsome puppet, cultivating a conversation we have all been waiting to hear.

Participating artists:
Benjamin Carpenter (Bender)
Muriel Buckner (Sunshine)
James McPhee
Nancy Kalef
Lee Harvey Roswell
Rebecca Meredith
Larnie Fox
Dr. Hal Robins
Michael Christian
Robin Frohardt
KROB
Dystopic Horizons Realty

É ou não é?

walter_mercado.jpg

Por motivo algum, quer dizer, inspirado por outra conversa alhures, aqui vai a clássica letra de Gay/Not Gay, do King Missile a respeito do que é ou não o amor que não ousa dizer o seu nome. Um tópico estimulante (epa!).

I saw an episode of the Jerry Springer show and the topic was “Tranvestites and the Men Who Love Them.” And the guy who was on with his “girlfriend” was saying “To me, this is a beautiful woman. She’s got a perfect body, beautiful blonde hair, everything. I love her, and I love making love to her. Now I ask you, does that make me gay?”
Most of the audience thought so, and so did I, but it got me thinking about what is or isn’t gay.

Discussing sex with a guy is gay.
Discussing sex with a woman is straight, even telling a woman “Sometimes I wonder what it would be like to suck a cock” is straight.
Sports are gay, especially contact sports, unless you’re the only guy on both teams, in which case it is straight.
Gyms are always gay, because afterwords, in the locker room, you’re showering with guys, and that is gay.
Watching pornography alone is neutral, like eating a sandwich. It’s neither straight nor gay.
Watching pornos with one or more other guys in the room, no matter how many other women are also in the room, is gay.
Watching porn, even gay porn, with one or more women ONLY is straight.

Here’s an interesting one: kissing a gay guy on the cheek, or having him kiss YOU on the cheek is neutral, as long as the guy is out of the closet. Hugging and/or kissing a straight guy . . . is gay.
See, look, I . . . I know I’m homophobic, but not about gay guys. They don’t bother me at all. It’s straight guys who don’t know they’re gay.
They fuck my shit right up.
Like a guy calls me up and says “A bunch of us guys are gonna sit around in our underwear and watch a football game and drink beer and eat chips, and, you know, maybe wrestle with each other a little, you know, just us guys! You wanna come over?”
And I’m like “No.”

OK, you’ve got a guy sucking your dick, even if he’s dressed like a beautiful woman, even if he’s got the best breast implants you’ve ever seen, even if you’re saying “Suck it bitch, I know you like it, you slut, you whore,” that’s gay.
Adversely, if a woman straps on a dildo and you’re dressed like a woman and you’re suckin’ her cock and she’s sayin’ “You like it, don’t you, you like sucking my dick, you little fucking faggot” and she rolls you over and fucks you in the ass and says “you love it, you little pussy boy, you love getting f**ked in the ass, I bet you wish I was a man, I bet you wish this was a cock, you fucking faggot” and you’re getting off on this like you’ve never gotten off before . . .
that’s still straight.
But then, when you go off to the bar, and you discuss this, or any other sexual experience with any other guys, that’s gay.

Here’s the most interesting one:
Sucking a guy’s cock, can, under certain rare circumstances, be straight.
Let’s say you’ve gotten into a betting game with a woman, and the bet is whoever loses has to be the other’s sex slave for the night, the kind of thing that happens in Penthouse Forum all the time, and you lose, and the woman makes you have sex with another guy, that’s not gay.

Yeah!

Corinthiano eu sou…

Cabo San Lucas, here we go!

É devagar, devagar, devagarinho…

Como na música do Martinho da Vila, as coisas começam a se acertar. Jenn a Cowbóia e eu, a caminho de um dia de sol outonal à beira-mar no Norte da Califórnia a bordo do ônibus do Chicken, um daqueles dias em que eu me lembro porque moro aqui. As ondas estavam bombando, e eu, sem prancha nem roupa de borracha, estava na seca para entrar na água e pegar umas ondinhas, mas a Jenn tem o poder de me acalmar. A Jenn está me consertando, pacientemente. Me reciclando da sucata, como as peças que ela cria.

Patético. Mas apropriado.

“This is how the World ends, not with a bang, but a whimper. ”

T.S. Eliot, The Hollow Men

Bryan aka FKO

Bryan, mais conhecido como FKO (se pronuncia Fucko, que quer dizer isso aí mesmo que você está pensando) é um dos maiores subversivos que eu conheço. Em 2004 nós fizemos juntos o Blacklight Ball, o fracasso de maior sucesso na história da vida noturna de San Francisco.
Fizemos um baile totalmente iluminado com luz negra, convidamos vários artistas que trouxeram esculturas, pinturas e graffitis pintados com tinta fluorescente, DJ’s, palhaços, bandas, todo mundo vestido com roupas e acessórios fluorescentes, uma esbórnia.

E entre cada atração, o Bryan subia no palco e me anunciava, tipo “e agora, Dr. Fiasco e o seu Show de Chamas Flamejantes!” Aí eu subia no palco, vestido com um terno de lamê prateado que faria o Clóvis Bornay se mijar de inveja e acendia um fósforo. Ou “e agora, o Show de Luzes do Dr. Fiasco!” e eu ia lá e ligava um daqueles trecos de laser que você usa em apresentações de powerpoint. Foi assim a noite inteira. Ninguém achou engraçado, além do Bryan e eu.

No fim, nós lotamos um dos maiores clubes de San Francisco e ainda assim conseguimos levar prejuízo.

Um ano depois, o Bryan foi o meu navegador quando eu atravessei o Lake Tahoe a nado e logo depois nós nos perdemos no deserto, tudo no mesmo fim de semana.

Assim é o Bryan, niilista de carteirinha (se é que niilistas são suficientemente organizados para ter carteirinhas), um artista que trabalha com uma variedade de materiais, do metal à parafina, um cara que aprontou todas e mais cinco na vida e vive azucrinando a chamada “contracultura” de San Francisco, porque se tem uma coisa que o Bryan sabe fazer é ser do contra. Uma espécie de Fitzcarraldo moderno, um cara que é bem sucedido através de fracassos retumbantes. Ou que fracassa rumo ao sucesso, o que no fundo é a mesma coisa.

E aqui está ele, numa entrevista com o seu estilo mirabolante, termodinâmico e estroboscópico, contando sobre a vez em que ele tocou fogo num Pollock. Quer dizer, mais ou menos. E vice-versa.

As próximas aventuras

Passei o meu exame de navegação costeira ontem.

E uns amigos que estão trazendo um barco do Canal do Panamá para San Francisco me convidaram para fazer a viagem com eles.

Infelizmente, não posso sair do país por causa da lenga-lenga toda do meu green card, que aliás está longe de acabar.

Mas vou velejar com eles de San Diego a San Francisco.

Eu, dois amigos e mais dois bombeiros de Ukiah.

A sequência acima é de um acidente que aconteceu há dois anos debaixo da ponte Golden Gate. Tinha um swell de 12 pés entrando pela Golden Gate e esse barco resolveu entrar na Baía pelo lado errado do pilar da ponte. Deu no que deu. Fico imaginando o terror do surfista que está remando para fora nas primeiras fotos vendo aquele barco de 24 pés vindo na sua direção. Ele foi dos primeiros a chegar ao barco. Os surfistas resgataram os dois tripulantes. Ninguém morreu, por milagre. Eu cheguei para surfar no mesmo lugar duas horas depois; o barco estava a 300 metros de distância, afundado parcialmente. Note como o barco se move para longe da câmera. Tudo isso aconteceu em no máximo dois minutos. Dá para ter uma idéia da força descomunal das correntes na Baía. É por isso que dizem que se você sabe velejar na Baía de San Francisco, você veleja em qualquer lugar do mundo.

Mas a minha próxima aventura é essa: estou construindo isso aqui

para no ano que vem participar disso aqui