Futebol e Baixaria, a Base da Cidadania


Hoje, se der tudo certo, acabam oito anos de trevas. Não tenho nenhuma ilusão de que este país não vai sair do buraco tão cedo, mas pelo menos é o fim de um governo que fez uma bela imitação do Fascismo. Obama vai passar quatro anos fazendo faxina, só para talvez conseguirmos voltar ao ponto em que estávamos em 2000.

Acordei às cinco da manhã para ir correr, como faço todos os dias, e às sete já podia ver filas nas portas de várias secões eleitorais. Nunca tinha visto tanto interesse numa eleição por aqui, uma vez que o voto é facultativo. Mas neste ano reina um clima de ódio aos Republicanos aqui em San Francisco e as pessoas estão aparecendo em massa para votar.

O sistema eleitoral Americano é ridiculamente Bizantino e nós Brasileiros podemos sorrir com ar superior quando comparamos as nossas eleições com as deles. Já os candidatos, não sei. Mas apesar de tudo, o sistema tem alguns pontos de que eu gosto bastante. As iniciativas populares, por exemplo. A nível municipal ou estadual, qualquer um pode propor uma iniciativa que, se aprovada pelos eleitores, automaticamente se transforma em lei. Basta conseguir um determinado número de assinaturas para colocar a iniciativa na cédula de votação. Por exemplo, o Chicken John (sempre ele, a quem eu acabei de chamar de idiota porque ele apóia o partido verde, que tem traço nas pesquisas) e outros colocaram uma iniciativa para batizar a maior estação de tratamento de esgoto da Bay Area de Usina George Bush de Esgoto. Existem outras iniciativas mais sérias, como a Proposição 8, que define na Constituição eleitoral da Califórnia o casamento como sendo somente entre um homem e uma mulher, o que anularia todos os casamentos entre pessoas do mesmo sexo que ocorreram aqui depois que a Suprema Corte do Estado derrubou a proibição por se tratar de discriminação. Na verdade, depois da campanha presidencial (também estão sendo eleitos deputados e senadores), esta proposição é a que mais recebeu dinheiro, dos dois lados e a que está atraindo mais atenção. Os que apoiam e emenda constitucional são os os pobres coitados crédulos e supersticiosos de sempre: Mórmons, Evangélicos e Católicos. O “sim” e o “não” estão rigorosamente empatados, essa vai ser de roer as unhas.

Pelo jeito vai dar Obama, mas o candidato mais interessante para mim foi o Mike Gravel, que concorreu nas primárias do partido Democrata e, perdendo, tentou as primárias do Partido Libertário. Perdeu de novo. Mike Gravel foi um dos dois únicos senadores que votaram contra a Resolução do Golfo de Tonkim, que deu início à Guerra do Vietnã. Ele também foi quem revelou os famosos Papéis do Pentágono, quando era senador pelo Alaska (veja só como os tempos mudam…)

Mas o melhor do Mike Gravel são os vídeos de campanha. Ele tem o “spot” mais pós-moderno (alguém por favor psicografe Jacques Derrida e Michel Foucault para explicar isso)

… e um bem engraçado também:

Advertisements

1 comment so far

  1. ronin on

    Caro colega, eu não sei o que é pior, se viver a eleição in loco ou aqui, saturados com o “a eleição mais importante do mundo” de cada dia.

    O fato é que nesse Mike Gravel aí eu votava, inclusive como melhor performance em algum festival de video arte. Que porra é essa? É o Suplicy [o pai, please] daqui uns anos?

    Sinceramente, depois dessa não tenho dúvidas de que as eleições aí são mais interessantes [sic] e que os candidatos aí são mais esclarecidos [sic sic].


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: